31 de mai de 2008

O que os japoneses trouxeram de bom...

Hoje vou aproveitar o espaço para explicar a diferenças entre as almofadas japonesas:

FUTON - é uma versão aprimorada das antigas esteiras de palha; hoje é preenchido com algodão ou material sintético, tendo em média 5 cm de espessura.







ZABUTON - de todos, é o mais versátil, pois é uma almofada que pode ser usada na hora das refeições, para meditação, no encosto do sofá, em cadeiras, bancos, entre outras finalidades.






SHIKIBUTON - é um colchão que pode ser dobrado.






NATSUFUTON - desempenha o mesmo papel do edredom, mas é feito de tecido de algodão percal, que recobre uma manta uniforme de fibra de silicone.









ZAFU - o zafu tem origem chinesa e foi adaptado às origens japonesas; ZA significa assento e FU é o nome de uma planta chamada cattail. Originalmente, ele era preenchido com essa planta, mas hoje em dia, com o desenvolvimento dos materiais, pode ser preenchido com qualquer material que o deixe firme. Utilizado para meditação.




KAKEBUTON - edredom vendido junto com o shikibuton e com a almofada (chamada de Makura), que formam um conjunto japonês para dormir.






Todos eles são parecidos visualmente, mas têm suas funções distintas, e na origem japonesa, todos eles são muito importantes. Hoje todos eles foram incorporados à nossa cultura, mesmo com nomes diferentes, mas fazem as nossas cabeças e casas. Vale a pena aproveitar o que os japoneses nos trouxeram :D

Créditos:
Foto do Futon: http://sp.quebarato.com.br/classificados/almofada-futon__148559.html
Foto do Zabuton: http://www.shambhala.org/centers/vancouver/annc/cushions.html
Foto do Shikibuton: http://www.thefutonshop.com/product.aspx?productID=415
Foto do Natsufuton: http://brotandopormadrid.blogspot.com/2007_12_01_archive.html
Foto do Zafu: http://pt.wikipedia.org/wiki/Zafu
Foto do Kakebuton: http://futony.kidokai.cz/

25 de mai de 2008

Casa Cor 2008

Depois de duas semanas sem escrever por causa das correrias e dos feriados, aqui estou novamente. Na verdade, para falar de um evento muito legal que está acontecendo. A Casa Cor 2008, que é o maior evento de decoração e de tendências do país, acontece de 20 de Maio até 09 de Julho, no Jockey Club, na Av. Lineu de Paula Machado, 875 - São Paulo - SP. O valor para entrar é R$ 35,00.

Estive por lá, e o que percebi é que todos os ambientes possuem algo em comum: decorações bem elaboradas e muitas vezes com objetos simples ao nosso cotidiano, nada de muitos móveis famosos, retorno às origens e utilização de tudo que há de novo em tecnologia. Ou seja, cada um pode fazer o que der na telha, desde que haja uma proposta e um fim justificável. Ambientes clássicos e modernos estavam misturados, mas combinavam entre si.

O que será tendência esse ano são os pisos e painéis de Limestone e Silestone, porcelanatos metalizados e texturizados para as áreas nobres da casa e não mais o piso polido ou só acetinado. As pias estão maiores e as cubas são confeccionadas a partir da própria pedra, e não há quase a utilização de cubas de louça ou alumínio. O elemento água foi muito trabalhado esse ano, com espelhos d'água gigantescos, passando por dentro da área de estar da casa, sem ficar destinado somente ao jardim. Os espelhos saíram da moldura e foram parar em móveis e revestindo paredes inteiras.

Um material que me muito chamou a atenção foi o Ecocarat, exposto no orquidário. É um material produzido a partir de terras vulcanicas do Japão e que regula a umidade do ambiente, absorvendo mais quando o ar está úmido e devolvendo umidade quando o ar está mais seco. Para fazer esse efeito, pelo menos metade do ambiente deve estar revestido com o material, como no orquidário da Casa Cor. Esse material está a venda na Recesa e o preço do m2 sai em média por R$ 600,00. Ele está disponível no Brasil apenas para revestir paredes, mas em breve os pisos poderão ser encontrados.

Para quem quiser ver mais, vale a pena dar uma olhada na mostra, que reúne os maiores arquitetos, designers e paisagistas de São Paulo, alguns até reconhecidos internacionalmente. No local existem algumas lojinhas e bares modernos, além de um restaurante clássico porém atual com uma comida deliciosa. Eles também vendem o Anuário da Casa Cor 2008, por R$ 15,00, para quem quiser saber mais informações.

Caso tenham alguma dúvida, estou à disposição.

PS: fotos tiradas no local
- primeira foto: ambiente Loft Concept 24/7 de Fernanda Marques
- segunda foto: ambiente Estúdio do Bem Estar de Patricia Martinez

18 de mai de 2008

Artesanato Sustentável em Alta


Hoje em dia, procuramos deixar nossa casa mais bonita com objetos diferenciados e além de tudo bonitos, mas nos esquecemos que esse objeto, para ser confeccionado, utilizou vários materiais, que muitas vezes prejudicam o meio ambiente.

Podemos fazer a nossa parte e decorar nossa casa com objetos decorativos sustentáveis, ou seja, que utilizam matéria-prima reciclada e usam mão-de-obra carente, o que melhora a qualidade de vida do planeta e dessas pessoas que produzem esses materiais.

Há comunidades em todo o país que desenvolvem vasos e objetos de cerâmica, mulheres que fazem objetos a partir das folhas e dos troncos das bananeiras, que utilizam o capim dourado para fazer mandalas e souplats, entre outras pessoas.

Hoje em dia é cada vez mais comum as pessoas se preocuparem com a preservação do planeta e do lugar onde vivem, e o mercado da decoração tem refletido isso, com o aumento da procura por móveis de madeira que tem autorização do FSC (Conselho de Manejo Florestal)e por esses objetos.

Fazer nosso lugar ser melhor não é só obrigação dessas pessoas, é nossa também, quando vamos até a loja e escolhemos qual produto vamos levar.

OBS: foto do site www.capimdouradojalapao.com.br

4 de mai de 2008

Centenário da Imigração Japonesa - Comemorações

Está programado para 2008 no Brasil, o Festival dos 100 Anos da Imigração. Por decisão da Comissão Executiva para a Construção do Monumento em Homenagem ao Centenário da Imigração Japonesa para o Brasil e do escultor Kota Kinutani, será doado à Prefeitura da cidade de São Paulo, um monumento formado de sete peças de granito.

Este projeto foi anteriormente registrado no Ministério das Relações Exteriores brasileiro e também, conjuntamente com a Prefeitura da cidade de São Paulo.

O local da instalação do monumento será o Parque do Carmo, no bairro de Itaquera, e foi escolhido pelo próprio escultor, juntamente pelo local ter uma íntima ligação com a imigração japonesa. A escolha do Parque do Carmo para abrigar a escultura se deve ao fato de a região de Itaquera concentrar uma colônia de moradores japoneses responsável pelo Bosque das Cerejeiras, no parque. A comunidade local promove todos os anos a Festa da Cerejeira, celebrando a florada desta espécie no interior do bosque.

As primeiras seis peças foram confeccionadas em granito branco japonês Inada, oriundo da região de Ibaraki no Japão, e foram trazidas para cá de navio pela mesma empresa que trouxe os primeiros imigrantes japoneses há cem anos. A última está sendo confeccionada em granito vermelho Red Dragon, oriundo do Ceará, aqui no país, em uma pedreira. A peça ficará pronta até junho, quando será integrada às outras seis. Elas serão expostas em formato de mandala sendo que esta última ficará no centro, representando o sol, e as outras seis ficarão ao redor, representando os seis continentes. Juntas elas pesam quase 200 toneladas.

A idéia do escultor surgiu em 2003 quando ele conseguiu uma bolsa de estudos para cursar pós-doutorado na Escola de Comunicação e Artes da USP. As esculturas surgiram primeiramente como protótipos e desde o fim do ano retrasado começaram a ser produzidas. O que ele quer é fazer com que as peças sejam acolhidas pelos adultos e crianças que frequentam o parque pois é possível interagir, tocando, entrando e escalando as esculturas.

A idéia e o projeto foram acolhidos também pelo arquiteto Júlio Mitsui, que está ajudando na elaboração da última e na organização do evento.

"Gostaria que minha obra pudesse ser usada por várias pessoas ao mesmo tempo. E que pudesse proporcionar sonhos para as crianças que a tocassem. E para as pessoas grandes que estejam sofrendo gostaria que a escultura servisse de consolo", afirma Kinutani.
















FONTES (info e fotos):
www.globo.com/sptv
http://brazil-monument.sakura.ne.jp/index_p.html
http://blog.centenario2008.org.br/
www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php%3Fp%3D23141+Kota+Kinutani&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=3&gl=br