30 de nov de 2008

Cores - Parte 2

Hoje o post é sobre as cores nos ambientes, complementando o último posto, do dia 20/11.

Ambientes Residenciais

Nesses ambientes, as cores empregadas são relacionadas à personalidade dos moradores, funções dos ambientes e efeitos pretendidos. Já não existem mais regras quanto a isso, e o que observo tem sido uma crescente tendência em ousar, em conferir personalidade ao ambiente de forma pessoal e lúdica. Para acentuar um ou outro efeito pretendido, deve-se usar as cores, citadas no post anterior, aliadas às preferências do cliente.

Cor na Indústria

A produção de um operário é diretamente proporcional às condições ambientais da indústria em que trabalha. Com o uso das cores, pode-se atuar diretamente sobre as reações fisiológicas e psicológicas do trabalhador: evitando a monotonia cromática atua-se também contra sensação de fadiga visual, que contamina a disposição física, o interesse e a concentração.

Cor em Hotéis

Geralmente busca-se imprimir no design de interiores dos hotéis um clima de acolhimento, ao mesmo tempo que se pretende conferir "toques pessoais" aos ambientes, dando a entender que cada local foi pensado para receber o hóspede. Assim, evita-se a monocromia e o aspecto frio dos ambientes, sugestionados pelo excessivo uso do branco, por exemplo, sem a preocupação com o uso de cores que venham conferir personalidade e pessoalidade aos ambientes.

Cor em Restaurantes

A harmonia e as tonalidades a serem escolhidas para os restaurantes devem dialogar com o estilo gastronômico do local. Não há restrição de uso de cores, contudo prefere-se aquelas que são estimulantes do apetite, ou cores que, aliadas à iluminaçãoi, confiram um clima acolhedor.

Cor em Estabelecimentos Comerciais

A identificação do perfil do estabelecimento e as questões relativas à subjetividade podem ser bastante auxiliadas com o emprego correto das cores. Embora não seja o que vemos com frequência, cores fortes e contrastantes na fachada podem causar o efeito contrário à atração da clientela: pode-se afugentá-la, caso a combinação seja indelicada o suficiente para transmitir a sensação de poluição visual (e consequentemente não comprometimento com questões urbanas e sociais, refletindo no atendimento ao cliente).
Deve-se considerar também as características dos produtos a serem vendidos, pois estes comporão, juntamente com as cores e os revestimentos, todo o sistema de comunicação visual do local. Em geral, se os produtos forem muito coloridos, é mais adequado que as cores das paredes sejam neutras. Se deseja setorizar o estabelecimento de acordo com os produtos e serviços, fazê-lo através do uso de cores distintas pode ser uma boa pedida.

Cor em Ambientes de Atendimento à Saúde

A fama de "clima de hospital" é algo que vem sido evitada, através do emprego de cores suaves e acolhedoras sem, entretanto, comprometer os aspectos relativos ao atendimento e necessidades do local, estabelecidos por normas técnicas. Em geral, tem sido empregadas cores claras e luminosas, tons pastel relaxantes e que evitem a fadiga visual dos profissionais da saúde. O Feng Shui tem sido empregado, e sua sugestão para os ambientes com finalidade de cura são os tons esverdeados.

Cor em Aviões

Para evitar a Síndrome da Queda, são empregadas cores que transmitem estabilidade, como o verde, e que fazem alusão a terra, tais como tons alaranjados, amarelos terrosos e vermelhos queimados.

Cor em Navios

A cor verde equilibra a Síndrome do Pêndulo, obtendo-se ainda mais estabilidade ao empregar o vermelho, forte atrativo visual. Tanto em navios como em aviões evita-se o emprego do azul.

Espero que com essas informações, você possa usar a cor como um elemento de ajuda na sua vida, seja na pessoal, seja na profissional.

OBS:
- informações da Escola Arte São Paulo;
- foto do site: http://webatomic.blogtv.uol.com.br/2008/01/16/como-capturar-a-atencao-dos-usuarios-com-cores

20 de nov de 2008

Cores - Parte 1

Vou fazer dois posts sobre cores: no primeiro vou colocar as características das cores, e no segundo, como as cores influenciam os ambientes.

As cores são para nós, seres humanos, carregadas de informações, que podem ser de caráter cultural e simbólico, vibracional, estimuolante tanto no sentido de movimento quanto de repouso, sendo todos estes fatores participantes e igualmente relevantes no processo de percepção da cor.

Logo abaixo vou listar as cores e suas características, para ajudar você na hora de escolher uma cor, seja para sua casa, seu ambiente de trabalho ou até a roupa que vai usar:

- AMARELO: associado ao sol, luz, ouro, vida, ação, criatividade, concentração, disciplina, comunicação, raciocínio, alegria, espontaneidade e extroversão. Indicada para escritório, estar, estudo e cozinha, além de ambientes que recebem pouca luz natural;

- AZUL: associada ao céu, mar, espaço, infinito, amabilidade, paciência, serenidade, pensamento, misticismo e introspecção. Exerce efeito analgésico em tons suaves. Pode induzir à depressão em tons intensos monocromáticos. Tem grande aceitação, sendo a mais utilizada no vestuário;

- BRANCO: no ocidente é associado à paz, pureza, delicadeza e leveza. No oriente é associado ao luto. também se refere à luz, limpeza, frescor e clareza. Um espaço totalmente branco pode tornar-se monótono e hostil, levando à dispersão. Tem o poder de realçar outras cores;

- CINZA: associado à distinção e neutralidade. Sugere gradação da luz, aumento ou diminuição. Sua utilização junto às cores vivas, tem efeito absorvente, colaborando para neutralizá-las;

- LARANJA: associado ao sol quente, fruta madura, alegria, verão, otimismo, generosidade, entusiasmo e bom astral. Age sobre o sistema digestivo, abrindo o apetite. Indicado para salas de refeição, estudo, dormitórios infantis, locais de reunião e encontro familiar;

- PRETO: associado à um sentimento universal de agressividade, peso, tristeza e elegância. No ocidente significa luto. Ambientes carregados desta cor sugerem um ar viciado. Utilizado em detalhes confere masculinidade e sofisticação;

- VERDE: associado à vegetação, esperança, juventude, frescor e abundância. É a cor do equilíbrio, não agita nem relaxa demais, estimula o silêncio e ameniza o stress. Pode ser usada em todos os ambientes;

- VERMELHO: associado ao fogo, calor, perigo, sangue, paixão, alegria, luxo, força e poder. Desperta a sexualidade e, em alguns casos, pode fazer aflorar a agressividade. Simboliza a aproximação, o encontro entre as pessoas e é indicado para salas de estar e jantar;

- VIOLETA: associado à magia, misticismo, tristeza, aflição, pprofundidade, intuição e espiritualidade. É a cor que mais tem influência em emoções e no estado de humor das pessoas. Em tons fortes pode agravar um estado depressivo e induzir à dispersão. Os tons claros acalmam e sugerem aconchego, são indicados para locais de meditação e convalescência.

Vale lembrar que algumas características do projeto de decoração, como dimensão do ambiente, quantidade de luz natural, materiais e texturas utilizados, entre outros, alteram a peercepção e o efeito das cores.

Na semana que vem vou colocar algumas sugestões de cores para ambientes. Até mais!

FONTES: Escola Arte São Paulo e Casa Cláudia.
FOTO: do site http://www.aulaparticulardeingles.com.br/cores_em_ingles.html

13 de nov de 2008

Sustentabilidade

O assunto do momento é a preservação do planeta e de suas reservas naturais, consumo consciente e respeito à natureza e aos seres vivos, e isso inclui o homem.

No mercado da arquitetura e do design de interiores há uma constante preocupação sobre o impacto que causamos no meio-ambiente quando fazemos uma obra, construímos uma casa, colocamos um determinado piso e até quando pintamos a casa e nela colocamos móveis e eletrodomésticos.

Todos esses itens citados acima já estão no mercado em versões que não prejudicam o meio-ambiente: móveis e assoalhos são feitos de madeira reaproveitada ou de reflorestamento, eletrodomésticos são produzidos para utilizar o mínimo de energia ou energias alternativas, reuso de água em jardins de casas e ambientes comerciais, descarte adequado do lixo de obra e do lixo comum (reciclável e orgânico), entre outras coisas.

Mais importante do que o mercado produzir esses produtos, é o consumidor, nós, também nos preocuparmos com o que queremos para nosso futuro, e essas iniciativas são de grande ajuda para mudar a consciência da população. Esses produtos ainda são mais caros do que os proutos comuns, mas se houver maior procura e maior conscientização, esses produtos vão chegar aos preços do que hoje temos no mercado mais acessíveis.

Faça sua parte: recicle seu lixo de forma correta, consuma produtos biodegradáveis, de reaproveitamento ou de certificação de preservação, economize água e energia elétrica e ajude a espalhar essa idéia, pois o planeta só vai sobreviver se cuidarmos dele e precisamos de mais pessoas engajadas nessa causa.

OBS: caso queira mais informações sobre esse tema, entre em contato pelo e-mail que está ao lado, acima.
- Foto retirada do site: http://www.camiseteria.com/design.aspx?did=16166

4 de nov de 2008

Terraços e Varandas

As varandas, os terraços e as sacadas das casas e dos apartamentos estão cada vez mais atuais e há tempos fazem parte da área social.

Hoje em dia elas são definidas de acordo com o tamanho e com a funcionalidade que se quer dar. Ou seja, essas áreas podem ser definidas como àreas de lazer, parte do living ou ainda uma área diferenciada como área zen ou até academia.

Tudo depende do que você quer fazer. Abaixo seguem algumas dicas para ajudar você a montar a sua:

Para prédios:

- as plantas devem ser resistentes ao vento e à insolação;
- leve em consideração a facilidade de manutenção caso tenha jardim;
- os jardins podem ser feitos através de vasos, jardineiras ou painéis suspensos;
- o uso de painéis e decks evita que os pisos sejam retirados evitando sujeira na parte interna do apartamento;
- verifique, de acordo com o tamanho do espaço, se há possibilidade de colocar bancos ou cadeiras para sentar e descansar;

Para casas:

- o jardim pode ser feito de diversos tamanhos, mas antes mande analisar que tipo de solo você tem no local, para que as plantas sejam especificadas de forma correta e possam sobreviver;
- escolha que tipo de jardim você quer: tropical, colonial, parecendo um "pedaço da mata", entre outros tipos;
- caso tenha piscina, fique atento(a) para que as plantas ao redor não sujem a piscina ou danifiquem os encanamentos com suas raízes;
- na iluminação, coloque o foco sempre debaixo para cima, com lâmpadas de foco ou LEDs;
- verifique também se o piso da área de circulação, onde não há grama nem vegetação, é aderente (pois não existe piso anti-derrapante) e não acumula calor excessivo;

Para todos os jardins:

- verifique a decoração: use vasinhos para áreas menores, pergolados, prateleiras, floreiras, acessórios de jardinagem, hortas, entre outras coisas, para melhorar a imagem do seu espaço;
- coloque móveis que sejam resistentes às intempéries, inclusive nos tecidos, se não podem mofar;
- se houver possibilidade, coloque fontes, espaços de relaxamento, comedouros de passarinho e áreas para animais.

O que vale de verdade é você fazer um lugar para relaxar e se sentir bem, e nesse caso não há regras!