29 de jul de 2009

Viaduto Santa Ifigênia

O Viaduto Santa Ifigênia tem 225 m de comprimento e foi encomendado na Bélgica. Os responsáveis alegavam que a cidade não dispunha de mão-de-obra especializada para garantir a construção desta obra, o que a tornou a mais cara executada na época.

O objetivo era facilitar o fluxo de veículos que enfrentavam a ladeira da Avenida São João, além de melhorar o trânsito dos bondes que subiam a Rua São Bento e a Rua XV de Novembro.

Hoje, o viaduto de estilo art nouveau serve como área de passagem para pedestres. Ele possui uma estrutura pintada de ocre, arcos multicoloridos e uma iluminação noturna que destaca suas linhas.

OBS: esse viaduto é mais ou menos da mesma época que a construção da Torre Eiffel em Paris, que foram construídos na era do Ferro na Europa, também conhecida como Belle Époque.

Informações e foto retirada do site:
http://www.guiadasemana.com.br/Sao_Paulo/Passeios/Estabelecimento/Viaduto_Santa_Ifig%EAnia.aspx?id=13661

28 de jul de 2009

Governo estuda nova lei para recuperar prédios do centro de São Paulo

A Prefeitura de São Paulo estuda criar uma nova legislação para estimular a recuperação de prédios antigos no centro da cidade e permitir a reocupação da área com moradias.

A revitalização do centro emperra justamente nos entraves burocráticos que limitam o lançamento de empreendimentos imobiliários na região.

Faltam áreas disponíveis para novas construções no centro, quase totalmente ocupado. Comprar prédio antigo para derrubar geralmente é inviável economicamente. A alternativa é a recuperação dos prédios --prática que o mercado imobiliário chama de retrofit.

Porém, como as normas de segurança atuais são mais exigentes que as vigentes na época da construção dos prédios, os empreendedores têm dificuldade para aprovar projetos de recuperação. Há ainda as restrições impostas pelos órgãos de preservação do patrimônio.

O próprio governo avalia que os projetos em andamento para revitalizar o centro da cidade --concessão urbanística da cracolândia, construção da praça da Artes, reforma do Teatro Municipal e retomada dos cinemas de rua- só farão sentido se houver uma ocupação da área com moradia. E que isso só é viável por meio do retrofit.

"Estamos estudando a legislação para ver se é o caso de propor algum tipo de incentivo para os prédios do centro a serem recuperados", disse Ricardo Pereira Leite, presidente da Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação). Não há data para a conclusão dos estudos.

A preocupação é não reduzir as exigências de segurança e não ferir as regras do patrimônio histórico. Mas, sem a mudança na legislação, até mesmo as obras na cracolândia --que o governo rebatizou de Nova Luz-- ficarão inviáveis: 84 imóveis da área são tombados.

O problema ficou ainda mais evidente para o governo quando a Cohab começou a levantar a situação de cerca de mil edifícios no centro para avaliar se eles poderiam receber moradias populares. Foram selecionados 80 prédios, mas mesmo nesses haverá dificuldades de aprovação dos projetos por conta das restrições legais.

A Cohab já teve uma experiência quando da recuperação de um edifício na rua Riachuelo ainda na gestão da ex-prefeita Marta Suplicy (PT - 2001/ 2004). Mesmo sendo um projeto do próprio governo, houve dificuldades na aprovação das plantas e o projeto teve de ser modificado várias vezes.

"A Cohab teve dificuldades enormes para aprovar na Sehab [Secretaria Municipal de Habitação]. A Sehab inventa tais e tantas que você não tem ideia da dificuldade para aprovar o projeto. Mas com conversa, atenção e cuidado, as dificuldades foram superadas", disse Paulo Bruna, arquiteto da recuperação do prédio.

O mercado imobiliário aposta que há demanda por moradia no centro. E não só de imóveis para famílias de baixa renda.

"As pessoas querem morar no centro, sim", disse Mauro Teixeira Pinto, diretor da TPA Empreendimentos, que fez um prédio residencial na av. Duque de Caxias e acaba de lançar outro, na rua Major Sertório.

Claro que há o problemas da falta de segurança, parte das ruas ocupadas por usuários de drogas, travestis e prostitutas, reclamações sobre a da falta de limpeza. Mas quem acredita no centro diz que isso não é o maior problema.

"Precisamos do adensamento do centro e de todos os locais que estão sub-utilizados. As pessoas indo morar no centro melhoram as condições", disse a urbanista Sarah Feldman, da USP de São Carlos.

Reportagem da Folha de São Paulo - Caderno Cotidiano
EVANDRO SPINELLI da Folha de S.Paulo
OBS: foto do edifício Viadutos, do arquiteto Artacho Jurado, retirada do site http://rseefo.com.br/?tag=sao-paulo

27 de jul de 2009

Jardim Botânico de São Paulo - Parte 1

Ontem estive no Jardim Botânico de São Paulo. O silêncio, a paz e a tranquilidade que esse lugar tem é impressionante. Por gostar muito de paisagismo e jardinagem, me sinto muito a vontade quando vou lá. É bom poder reconhecer espécies que estão ameaçadas de extinção e que lá ainda são preservadas.Separei algumas fotos que tirei por lá, mas como o dia estava nublado e ameaçava chover, não consegui ver tudo, mas em breve voltarei para visitar outros locais e tirar mais fotos.Está acontecendo também uma exposição histórica no metrô, estação Imigrantes, sobre os 80 anos do Jardim Botânico. Quem quiser visitar, é só passar pela estação entre 10 e 31 de Julho de 2009.


JARDIM BOTÂNICO - SERVIÇOS:

Av. Miguel Stéfano, 3031, Água Funda - São Paulo - SP

Horário de Funcionamento:
O Jardim Botânico abre de terça a domingo e feriados, das 9:00 às 17:00 horas,
exceto Sexta-feira Santa, 25 de dezembro e 1º de janeiro.
Horário das visitas monitoradas:
Período da manhã : iniciadas às 9:10 hs.
Período da tarde : iniciadas às 14:00 hs
Duração : de 1 a 2 horas, dependendo da faixa etária

Ingressos:
Crianças até 10 anos e adultos acima de 65 anos e portadores
de necessidades especiais mental..........................isentos
Estudantes...........................................................R$ 1,00
Público em geral...................................................R$ 3,00
Visitas Monitoradas:
estudantes.................................... R$ 3,00 + valor do ingresso
demais grupos.............................. R$ 6,00 + valor do ingresso

Estacionamento:
carro de passeio.......................... R$ 5,00
ônibus .........................................R$ 10,00
O pagamento é realizado na bilheteria do Jardim Botânico

Procedimentos para visitas escolares (somente com agendamento)
Os interessados em agendar uma visita deverá ligar para o telefone
(11) 5073-6300 Ramal 229-252.

Reportagem - Folha Metropolitana - Banheiros

No domingo retrasado, dia 19/07, dei uma entrevista para a revista Folha Metropolitana, que circula na região de Guarulhos. Eu ainda não tinha conseguido retirar do site as páginas para colocar no blog, mas hoje eu consegui...

Coloquei a intrevista na íntegra. Saiu no caderno Casa e Design. Para ler, clique na imagem e ela será ampliada, assim facilita a leitura.


20 de jul de 2009

Jundiaí

Esse final de semana estive em Jundiaí. Já tinha conhecido a cidade em um passeio que fiz há uns 4 anos. Passei pela Estação de Trem de Jundiaí, depois pelo Museu Ferroviário da Companhia Paulista e, por último, no Jardim Botânico de Jundiaí. A cidade está bem diferente do que vi, mas está melhor, com uma nova e melhor infraestrutura surgindo e restauração do patrimônio histórico. O percurso até a cidade foi feito de trem mesmo, partindo da estação da Luz, sentido Francisco Morato, e depois de Francisco Morato até Jundiaí, em um segundo trem, menor que o tradicional. O percurso total levou aproximadamente 1h30min na ida e 1h40min na volta.


A estação de trem de Jundiaí é um caso a parte, ela ainda está conservada como foi construida originalmente, apenas adaptada para os tempos atuais. O telhado ainda é de madeira, a estrutura ainda é de ferro e o chão de lajotas antigas. A parte de alvenaria é toda de tijolos aparentes.


O Museu Ferroviário da Companhia Paulista é mantido na antiga oficina da Ferrovia e abriga objetos utilizados quando ela ainda funcionava como Santos - Jundiaí. Sinos, avisos de estações, locomotivas, locobreques, vagões, carros, motores, poltronas, roupas, miniaturas, projetos, todos esses objetos estão guardados, e bem guardados nesse museu. O atendimento lá também foi excelente, o Sr. Carlos foi muito atencioso e nos deu várias explicações sobre o que havia no museu e os futuros projetos de restauro.
No Jardim Botânico muitas coisas estavam diferentes de quando vi, agora existe um viveiro de orquídeas com fonte, algumas fontes estavam em reforma, há também um Jardim Japonês e coleções de plantas, como Hemerocalis e Palmeiras. Existe um mirante de onde é possível avistar parte da cidade e parte da linha do trem.


A cidade é muito bonita e está muito bem conservada, mas ainda precisa que seus governantes prestem mais atenção no patrimônio que têm, pois não é só patrimônio do Brasil, é um patrimônio do mundo.


Essas casinhas logo abaixo foram tiradas de uma rua bem perto da estação de trem, chama Rua Prof. Anna Rita Ludke. Todas foram reformadas e são lindas, em arquitetura estilo colonial.

A última foto é de uma mesquita islâmica bem próxima da estação.

14 de jul de 2009

Patrimônio Restaurado - Igreja Nossa Senhora da Boa Morte

Reza o catolicismo que Maria, a mãe de Jesus, foi levada ao céu de corpo e alma quando morreu. Teve o que se poderia chamar de uma morte boa. Desde 1810, os devotos paulistanos veneram sua imagem na Igreja da Nossa Senhora da Boa Morte, na Rua do Carmo, região central da cidade. Construída com taipa de pilão e adobe (terra batida usada em edificações coloniais), a capela fazia parte do itinerário dos condenados à forca, no século XIX. Na esperança de terem um destino tão bom quanto o da virgem Maria, eles passavam por ali antes de seguir para o Largo dos Enforcados, na Liberdade. Foi no templo também que ocorreram algumas das primeiras missas da cidade nas quais negros e brancos podiam se sentar lado a lado. Apesar da importância histórica, a construção está fechada há sete anos. Desde 2006, quando foi liberado um fundo da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura de 6 milhões de reais, passa por uma reforma. "São Paulo tem apenas oito igrejas do período colonial", diz o restaurador Júlio Moraes. "Dentro desse contexto, a recuperação dessa construção é extremamente importante para a cidade."

Sessenta profissionais, como engenheiros, arquitetos, marceneiros, carpinteiros e pintores, trabalharam para ressuscitar a igreja. A reinauguração foi neste último sábado, dia 11/07, e desde segunda, dia 13 ela foi reaberta ao público e ficará aberta 24h por dia. Ela será assumida por Padres da Aliança da Misericórdia, que atuam com população carente, e prometem também eventos culturais uma vez por mês.

A reforma passou por diversas etapas, da remoção e substituição de madeiras que compunham a estrutura do prédio à recuperação da pintura e das cores originais escondidas por baixo de camadas e camadas de tinta, sujeira e cal. Nesse processo, os restauradores descobriram uma joia: um afresco barroco pintado em madeiras que um dia adornaram o forro do templo. A pintura jazia embaixo de camadas grossas de látex cinza. "Aos poucos, vimos a igreja florescer", conta a engenheira Maria Aparecida Soukef, responsável pela obra. E a Boa Morte ganhou vida nova.

Local: Rua do Carmo, esquina com Rua Tabantiguera
Informações e fotos retiradas dos sites:
http://www.estadao.com.br/noticias/geral,igreja-de-1810-sera-reaberta-no-sabado-em-sao-paulo,399653,0.htm
http://vejasaopaulo.abril.com.br/revista/vejasp/edicoes/2120/igreja-nossa-senhora-boa-morte-481362.html
http://flanelapaulistana.com/?p=3928

9 de jul de 2009

Portfólio 2008

Bom, esses dias procurei alguns projetos bonitos que fiz o ano passado, dentre os milhares. Selecionei alguns e fiz um vídeo para mostrar meu trabalho. Tem de tudo, desde banheiro até fachadas e piscinas.
Tenho poucas fotos desses mesmos projetos, porque alguns estão em andamento e outros não foram fechados.
Esse vídeo foi apenas um teste, depois vou selecionar o que já fiz até a metade do ano, ou até mesmo as fotos dos projetos já finalizados.
O vídeo está disponível também no YouTube, através do link abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=VdJMPXDfUjI

video

5 de jul de 2009

10 Grandes Micos da Decoração

Além de ser bem engraçado, porque também já aconteceu comigo, é útil para ajudar quem está querendo reformar ou já está no meio da reforma.

10 MICOS:

1- O sofá que não passa na porta
2- O estofado que não cabe no espaço
3- Quando o assento é baixo demais
4- O puxador que agarra na roupa
5- Mesa mineira X Cadeira de Design
6- A mesa de centro muito baixa
7- O tapete da sala de jantar ficou pequeno
8- Arandelas que não iluminam
9- A lareira nova funciona???
10- Escolher, escolher e errar na cor

Nesse link ainda estão algumas sugestões para não pagar esses micos na hora de fazer a sua cozinha. Algumas leitoras contaram suas histórias e um consultor respondeu o que fazer corretamente para evitar que esses micos acontecessem.

OBS: informações e foto retiradas do site http://casa.abril.com.br/materias/moveis/10-grandes-micos-decoracao-como-evita-los-476422.shtml

4 de jul de 2009

Flores: Simplicidade e Criatividade

Estou acompanhando o blog da Constance Zahn há pouco tempo e estou encantada com as coisas que ela coloca e escreve no blog. Olhando uma de suas blogadas, achei um post sobre Suzana Galvão, que é uma florista e cenógrafa muito competente. Ainda nesse post estavam alguns arranjos de flores que Suzana fez. Além de criativos, são fáceis de montar e podemos aproveitar a idéia para enfeitar nossa casa. O link do blog segue logo abaixo, vale uma visita para ver posts românticos e fofinhos.

OBS: fotos retiradas do site: http://www.constancezahn.com