26 de abr de 2012

Condephaat tomba prédio da emissora MTV


O prédio que abriga a emissora MTV em São Paulo, no bairro do Sumaré, zona oeste da capital, foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) na segunda-feira, de acordo com a Secretaria de Cultura do Estado.

O edifício, localizado na Avenida Professor Alfonso Bovero, é conhecido por já ter sediado, em 1934, a rádio Difusora e, depois, a TV Tupi, até 1980. Ele foi construído em 1961 e foi o primeiro a ser projetado especificamente para abrigar uma emissora de TV, conforme o Condephaat.

Segundo a Secretaria de Cultura, como o prédio mantém até hoje a mesma função, e com uma arquitetura modernista, é considerado um símbolo da trajetória televisiva no Brasil. Com o tombamento, o edifício não pode ser alterado nas fachadas, no volume ou implantação sem autorização do conselho.
Conforme a análise do Condephaat, as pastilhas que revestem a fachada do prédio foram implantadas com técnicas semelhantes ao do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, construído na mesma época. Além disso, outro destaque fica no painel artístico com imagens de índios, assinado por Gershon Knispel.
Procurada pela reportagem, a Abril Radiofusão S.A., do Grupo Abril, a quem a MTV pertence, informou que não iria comentar sobre o tombamento do prédio.

19 de abr de 2012

Residência Vila Nova Conceição


Toques modernos ao que parecia remoto. Esta foi a proposta da arquiteta Marina Adell ao projeto Residência Vila Nova Conceição, situado na região sul de São Paulo. A casa é a renovação de uma estrutura antiga, onde o passado foi resgatado com contemporaneidade, assim como foi exigido por seus proprietários que, além de preservar a história do local, pediram um espaço funcional que integrasse os ambientes à parte externa, trazendo a natureza para dentro de casa.
Desenvolvido pela construtora Freitas Guimarães Projeto e Construção, o projeto de 300m2 de área útil teve diversos pontos e materiais reaproveitados, alguns mantidos e recolocados (como uma parede de pedra e o telhado de Peroba Rosa), de maneira em que os espaços ficaram amplos com grandes aberturas, cômodos espaçosos e bem distribuídos, possibilitando a circulação de ar e a iluminação natural.
            A predominância de uso de materiais naturais como pedra e madeira, contribuiu para o estilo contemporâneo com referências tradicionais para o projeto. Com grandes aberturas e transparências em todos os espaços, as salas foram projetadas como um ambiente continuo, permitindo a visão dos jardins e amplidão. Para o alcance deste resultado, Marina Adell empregou esquadrias externas de madeira, instaladas pela MADO – Janelas & Portas, devido as opções de aberturas e sistemas diferenciados alinhado a durabilidade e estética do produto.
O projeto também ganhou ícones do passado em sua decoração para resgatar sua memória, como um console e espelho de família, além de um aparador feito com uma base de máquina de costura antiga, que também foi da família. Soluções sustentáveis, alternativas de conforto térmico e soluções energéticas também foram adotadas para incrementar a obra, como o uso de aquecimento solar conjugado com gás e vidros duplos para manter a temperatura interna, ventilação cruzada, brises e beirais para proteção solar.
Marina Adell Arquitetura
Rua Afonso Brás, 408 - CJ 106, Moema - São Paulo-SP
Tel.: (11) 3044-4547

Informações para Imprensa:
Trovata Comunicação
Tel: (11) 5051-2951





















15 de abr de 2012

Casa H


Situada em uma fazenda no interior paulista, a Casa H recebeu tal nome em referência a inicial do sobrenome de seus proprietários, mas o cenário não se limita a denominação e agrega outros conceitos que diferenciam a casa das demais. O projeto espelha perfeitamente a Harmonia entre o vidro e a madeira, que integram todos os ambientes da casa a sua área externa, convidando a luz e a natureza a comporem esta receita de equilíbrio em forma de um H de 1.100 m² .
Desenvolvido pelo arquiteto Erick Figueira, através da Incorporadora JHSF e pela Construtora Gaia, o projeto apresenta soluções práticas e funcionais, sendo uma construção térrea com ambientes planos, voltados tanto para o convívio em família, quanto para receberem muitos amigos.                     
O uso abundante de vidro combinado a elementos naturais como pedra e madeira deram um aspecto rústico-chique a todos os ambientes que, receberam peças sofisticadas como a poltrona Diz, de Sérgio Rodrigues, a tela Avenida São João, por Eduardo Kobra e uma luminária de chão Arco. Um contraste perfeito que, ganhou toques especiais com esquadrias instaladas pela MADO – Janelas & Portas. Para Erick Figueira, a escolha pela MADO garantiu um resultado espetacular, com destaque para o bom atendimento e pela qualidade obtida através da matéria-prima Lyptus®, madeira sustentável e certificada.

MADO – Janelas & Portas
Rua Orissanga, 26 - CJ 122, Praça da Árvore - São Paulo-SP
 













Fotos e fonte: Trovata Comunicação - Assessoria de imprensa

22 de mar de 2012

Estado agora vai 'tombar' bem imaterial

A viola tropeira, o virado à paulista, a ciranda, o sotaque da Mooca, a pizza de domingo. Essas e outras tradições tão tipicamente paulistas podem ser preservadas agora pelo governo estadual, por meio do Programa do Patrimônio Imaterial. A ideia é registrar pela primeira vez danças, músicas, pratos, costumes, rituais, livros, brincadeiras, lugares ou outros tipos de manifestações artísticas que estejam intimamente ligados à história e à memória de São Paulo.


O primeiro bem imaterial a ser "tombado" deverá ser a congada, dança surgida com a vinda de povos africanos de origem Banto, das regiões do Congo, Moçambique e Angola.
 "Será feito o registro com todos os detalhes de cada manifestação. Assim, quando forem repetir, haverá uma espécie de receita para que aquela manifestação possa ser repetida de forma correta", explica o secretário estadual de Cultura, Andrea Matarazzo.
De acordo com a nova legislação, publicada ontem no Diário Oficial do Estado, qualquer pessoa pode agora pedir o registro de um bem imaterial. A deliberação ficará por conta do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat), órgão estadual ligado à Secretaria de Cultura, responsável pelos tombamentos de imóveis históricos. Poderá ser feito o registro "universal", quando a manifestação ocorre em vários pontos no Estado, ou o registro "específico", quando tal prática é encontrada apenas em uma região de São Paulo.


O conceito de patrimônio imaterial existe desde 1930. Os primeiros estudos sobre o tema foram do escritor Mario de Andrade, que realizou várias pesquisas folclóricas, coletando objetos, músicas e outras expressões da cultura nacional. Um decreto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ampara esse tipo de registro no País desde 2000 - há 23 bens imateriais registrados até hoje pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), mas nenhum especificamente em São Paulo. Tanto a legislação estadual quanto a municipal ainda não tinham um programa para viabilizar o registro histórico dessas práticas culturais.


Reportagem de: RODRIGO BRANCATELLI
Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,estado-agora-vai-tombar-bem-imaterial-,787358,0.htm
Fotos: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/49/Rugendascongada.jpg/400px-Rugendascongada.jpg e http://1.bp.blogspot.com/_JlVWmIb_u-U/TLuRBevJhDI/AAAAAAAAAAM/oFgh3xllPR4/s1600/congada.jpg

15 de mar de 2012

Prédio do Banespa reabre para visitas depois de reforma

Com vista panorâmica, edifício no centro de São Paulo volta a receber turistas nesta quarta após 1 mês fechado. Elevadores passaram por manutenção; como o Martinelli, espaço não cobra visita ao seu mirante, a mais de 100 m.


O edifício Altino Arantes, mais conhecido como prédio do Banespa, no centro de São Paulo, é um dos únicos de onde se tem uma vista panorâmica da cidade.


De cima dos seus 35 andares, o visitante vê a multidão de prédios paulistanos e, lá embaixo, o caos da cidade aparece pequenininho.


No horizonte, pico do Jaraguá, na zona norte, e a serra do Mar completam a cena.


Esta vista privilegiada estará de novo disponível para o público. Depois de uma reforma de pouco mais de um mês, o Altino Arantes reabriu na quarta-feira (14).


O prédio fechou para turistas sem alarde no dia 6 de fevereiro, para manutenção dos elevadores. Neste período, quem tentou ver São Paulo de cima por ali deu com o nariz na porta.
O comerciário Luciano Caturelli, 39, veio de Ribeirão Preto (SP), na última quarta, e quis aproveitar para visitar o prédio. Ficou para fora.


"Fiquei surpreso. Não havia nenhuma placa ou informação. Como é um dos cartões-postais mais famosos de São Paulo precisava ser tratado com mais carinho e respeito." Uma alternativa para os desavisados é usar o mirante do edifício Martinelli, que fica ao lado.


O Santander, que administra o edifício, diz que a informação do fechamento não foi divulgada pois a reforma levaria pouco tempo.


O banco informa que nada muda com a reabertura: a visita continua gratuita e acontece de segunda a sexta-feira, das 10h às 15h.


TOMBADO


Junto com o Martinelli, o Altino Arantes é o único mirante gratuito de São Paulo. Mas a importância do edifício vai além da vista.


Inaugurado em 1947, e inspirado no Empire State, em Nova York, o edifício foi símbolo do crescimento de São Paulo na época -foi o prédio mais alto da cidade e chegou a ser considerado a maior construção de concreto do mundo. Sede do Banespa, foi privatizado em 2000, após a venda do banco.


Mesmo perdendo o posto de mais alto de São Paulo, o Altino Arantes é um colosso. São 161,22 metros, 900 degraus e 1.190 janelas.


Em junho de 2011, foi tombado pelo patrimônio histórico. Com a resolução, ele deve ter a fachada, o terraço e cinco pisos preservados. Também foram tombados os móveis que contam a história do Banespa, como uma enorme mesa usada nas reuniões da presidência do banco.


Fonte do texto e da foto: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1060206-predio-do-banespa-em-sp-reabre-para-visita-depois-de-reforma.shtml
Reportagem de MARIANA DESIDÉRIO DE SÃO PAULO

1 de mar de 2012

Projeto de um apartamento por Adriana Scartaris

Eu trabalhei durante 2 anos e meio na Recesa, uma rede de lojas de revestimento como designer de interiores. Na loja que eu atuava, algumas vezes atendi a designer de interiores Adriana Scartaris juntamente com a vendedora Priscila. Sempre gostei muito dos seus projetos e agora apareceu a oportunidade de divulgar um deles no meu blog. Fiquei muito honrada!


O bem-estar em primeiro lugar

A praticidade seguida da necessidade de espaço para a boa circulação, foram as bases para o projeto da designer de interiores Adriana Scartaris, em um apartamento de 220m², no Tatuapé em São Paulo.
A obra para a nova residência contou com a troca de todos os revestimentos, além da instalação de ar condicionado, som ambiente, home-theater integrado, novo projeto luminotécnico e forros em gesso.
Para atender uma jovem família de pai e mãe com menos de 40 anos, uma filha de 17, outra de 15 e um bebê de 6 meses, a profissional percebeu que todas as escolhas giravam em torno das necessidades do mais novo membro da família, que pedia praticidade, espaço para brincar e correr, móveis sem cantos vivos, e materiais que pudessem facilitar a limpeza.
 
Usando cerâmica no living e no terraço, com apenas um tapete em couro no primeiro ambiente, Scartaris prezou pela futura liberdade ao bebê com os primeiros passos e para que tudo ficasse bem prático na manutenção, com uma melhor fluidez nos espaços, e cantos levemente arredondados em todos os móveis.
A principal tendência apresentada neste projeto foi o uso de cores básicas com toques de tons vibrantes, além da mistura de materiais naturais. Para a cozinha, detalhes em vidro vermelho trazendo a cor de preferência da dona da casa, enquanto os quartos das filhas foram coloridos com as tonalidades que mais as agradavam.

A opção por vidros aplicados nas portas tanto da cozinha como dos quartos das meninas abre caminho para facilitar a troca da cor quando sentirem necessidade, sem grandes investimentos ou dificuldades.
 
Já para o living, terraço gourmet e demais ambientes, o pedido foi por aconchego para que os moradores estivessem sempre em um “ninho”, criado por conta da mistura de materiais naturais como algodão, couro, pastilhas de coco, objetos em madeira e fibras.
 
Soluções básicas de automação foram suficientes para atender o cliente em suas necessidades, como som ambiente, home-theater e iluminação integrada no living, que privilegia a luz aconchegante e quente, sem pontos que ofusquem a visão. Para os ambientes internos, a iluminação é feita com dimmer para cenas de estudo e repouso.
Para dar mais realce ao projeto, o uso de revestimento de alta qualidade ficou por conta do porcelanato espanhol padrão crema marfil, com destaque para os inserts no hall de entrada, onde também possui um luxuoso papel de parede com grandes flores, igualmente utilizado no lavabo, ambos customizados com aplicação de pedras swarovski nas cores âmbar e prata. Ao todo foram aplicados 2600 cristais nos dois ambientes.
Fornecedores:
Real HT (Automação), AD Móveis (Marcenaria), Recesa (Pisos e Revestimentos), Oficina D (Cortinas, Persianas, Papéis de parede e Tapetes), Casa Pinezi (Tintas Suvinil | Louças e metais Deca | Bitcino), Tec Lustres (Iluminação), Breton Actual (Movelaria).

Adriana Scartaris
Há mais de 25 anos, a designer de interiores e artista plástica Adriana Scartaris, formada pela FAAP, desenvolve projetos combinados ao seu estilo contemporâneo e ao universo particular de cada cliente. Sempre alinhados aos seus conhecimentos acadêmicos, seus trabalhos ganharam toques especiais e arrojados ao longo de sua carreira, como técnicas de terapias complementares que lhe renderam publicações em diversas revistas especializadas, premiações e participação em mostras renomadas como as últimas três edições da Casa Cor São Paulo, e em 2010 da Equipotel e Beauty Fair.
Contato:
Adriana Scartaris
11-3955-1661 / 9138-8429
www.adrianascartaris.com.br
contato@adrianascartaris.com.br


OBS: informações e fotos da assessoria de imprensa Trovata Comunicação.